Centros produtores da EDP receberam 42.000 visitantes

Lisboa, 31 de março de 2011

Melhor registo de sempre do Grupo é liderado pelo Alto Lindoso, uma barragem numa das 7 Maravilhas Naturais de Portugal.

O Aproveitamento Hidroeléctrico (AH) do Alto Lindoso, localizado no rio Lima a escassas centenas de metros da fronteira com Espanha, é o centro produtor mais visitado de todo o parque produtor da EDP, com cerca de 15.000 visitantes no ano de 2010. Desde 2006 que as instalações produtoras do Grupo registam um aumento gradual e significativo do número total de visitantes, tendo o ano de 2010 averbado o melhor registo de sempre, 42.000 visitas, quando em 2006 este valor se situava em cerca de 28.000.

O AH do Alto Lindoso, situado em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) - uma das 7 Maravilhas Naturais de Portugal, na categoria de Zonas Protegidas ?, é actualmente o mais potente centro produtor hidroeléctrico instalado no País. Através de um protocolo estabelecido entre a EDP e a entidade gestora da mais antiga área protegida portuguesa, o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, beneficia do facto de fazer parte do roteiro de quem se desloca à descoberta do único parque nacional de Portugal, para assim perfazer quase metade das visitas efectuadas às instalações produtoras da companhia.

Os aproveitamentos hidroeléctricos surgem, assim, no Parque Nacional como um investimento que visa a utilização dos recursos naturais do PNPG, nomeadamente dos efluentes, reflectindo também uma melhoria na qualidade de vida dos residentes.

Entre as barragens existentes na Peneda Gerês contam-se: as barragens da Caniçada, Salamonde e Paradela, no rio Cávado; a de Vilarinho das Furnas (que implicou a submersão da aldeia homónima), no rio Homem; e, a do Alto Lindoso, no rio Lima.

Localizada na freguesia de Lindoso, concelho de Ponte da Barca, a barragem do Alto Lindoso é alimentada pelo rio Lima. Um rio que entra em Portugal perto da localidade do Lindoso e passa por Ponte da Barca e Ponte de Lima, até desaguar no Oceano Atlântico junto a Viana do Castelo, percorrendo um total de 135 quilómetros. Aqui, no Minho, encontramos tudo o que se espera desta geografia: casas brasonadas, granito edificado, cantarias, ruas estreitas de pedras desalinhadas, pergaminhos e o verde que mesmo nas vilas não se intimida.

A história da hidroelectricidade no Minho é anterior a este empreendimento ? projectado em 1983 e concluído em 1992 ? e confunde-se com a história da hidroelectricidade em Portugal. Porque antes do aproveitamento do Alto Lindoso havia (e há) a Central do Lindoso (ou Central Hidroeléctrica de Paradamonte, visto situar-se na aldeia de Paradamonte, freguesia de Britelo) e esta foi pioneira. Na realidade, foi o primeiro grande aproveitamento hidroeléctrico nacional: em 1922, aquando da sua entrada em serviço, os 8750 KVA de potência instalada não envergonhavam o País entre os seus vizinhos europeus. Actualmente, ainda funciona, mas de forma quase residual, como um complemento ao AH do Alto Lindoso.

Sobre o Alto Lindoso

A central hidroeléctrica do Alto Lindoso é uma das mais potentes da rede nacional (630 MW), sendo a que tem maior queda entre o nível da albufeira e a sala das turbinas (350 m). Também o elevador que vence o referido desnível é um dos mais altos e mais rápidos na Europa e no Mundo. Do AH do Alto Lindoso faz também parte o Aproveitamento Hidroeléctrico do Touvedo. Para além de produzir energia, serve de complemento ao do Alto Lindoso modulando os elevados caudais que este turbina. Deste modo, Touvedo assume uma função reguladora, evitando variações bruscas no caudal do rio Lima.

O AH do Alto Lindoso é constituído por uma barragem de betão, do tipo abóbada de dupla curvatura, com 110 m de altura máxima acima da fundação (sendo uma das mais altas construções em território nacional) e desenvolvimento no coroamento da represa de 297 m, equipada com duas descargas de fundo.

A elevada potência dos seus grupos geradores; a prontidão na resposta às variações das solicitações da rede; a rapidez da entrada em serviço (cerca de 90 segundos) logo que requerida a sua capacidade produtiva; a ligação à ?auto-estrada? de transporte de energia que é a linha Sul-Norte a 400kV, que se prolonga por Espanha; a reserva de energia acumulada nos 350 milhões de m³ de água da albufeira; todos estes factores caracterizam o AH do Alto Lindoso como elemento fundamental no parque produtor da EDP.

Sobre o Parque Nacional Peneda Gerês:

Imponente e de uma beleza sem paralelo, o PNPG cobre uma área de cerca de 72.000 hectares, que abrange as serras da Peneda, Soajo, Amarela e Gerês e os planaltos de Castro Laboreiro e da Mourela. Atravessado por três rios (Lima, Cávado e Homem) é uma das maiores atracções naturais de Portugal, não só pela singular e impressionante beleza paisagística ? vales, serras, planaltos, cascatas e barragens -, mas também pela variedade de flora, onde se destacam o carvalho, o azevinho, o medronheiro ou o pinheiro e a concorrência desleal da urze e giestas que colorem as serras que sobem e descem por estradas de curvas e contracurvas e quedas de água. Num local como este, onde a floresta é densa e a água exubera, também a fauna é motivo de relevo, em particular o esquilo, o veado, o javali, o corço, o texugo, a lontra, a marta, o falcão e a águia-real, entre muitos mais.