Barragens em construção dão trabalho a 300 empresas nacionais e 50 locais

Lisboa, 20 de dezembro de 2010

São já 50 as empresas locais integradas na cadeia de fornecimento dos projectos hidroeléctricos em curso.

É o equivalente a 16% do total de empresas nacionais envolvidas nos reforços de potência de Bemposta, Picote, Alqueva, Venda Nova, Salamonde e ainda na construção das novas barragens do Baixo Sabor e Ribeiradio.

Reflexo da política de maximização da incorporação nacional nos investimentos do Grupo, este número terá tendência para subir. O objectivo da EDP é atingir as 1000 empresas nacionais até ao final da década, o horizonte temporal do actual plano de expansão hidroeléctrico. "É um desafio partilhado", diz António Ferreira da Costa, administrador da EDP Produção. A objectivo da EDP só é atingível se as empresas souberem agarrar a oportunidade, explica, acrescentando que "a incorporação nacional não se decreta. Conquista-se".

A EDP tem vindo a reforçar a aproximação às empresas nacionais em geral e às locais em particular, informando-as sobre os projectos e incentivando-as a entrar na cadeia de fornecimentos directos e indirectos. Foi esse o objectivo de algumas iniciativas realizadas ao longo do ano, tais como o Dia do Fornecedor, a reunião com associações empresariais dos distritos de Bragança e Vila Real ou ainda a subsequente visita às obras do Baixo Sabor.

No início do mês, o Grupo assinou um protocolo com os fornecedores de equipamentos para Ribeiradio e Venda Nova em que estes se comprometem a incorporar 40% de produtos e serviços nacionais no conjunto do contrato. Considerando também a componente de construção civil, dominante nos projectos hídricos, obter-se-á assim os 80% de incorporação nacional global estimada.