DISCLAIMER: Ao continuar a navegar nesta página web, o utilizador está a concordar expressamente com a colocação de cookies no seu computador que permitem medir estatísticas de visitas e melhorar a qualidade dos conteúdos oferecidos.

EDP recebe "luz verde" para barragem do Alvito

Lisboa, 29 de abril de 2010

Declaração de Impacte Ambiental permite iniciar investimento de 360 milhões no distrito de Castelo Branco e criar 1.000 postos de trabalho.

A EDP recebeu uma Declaração de Impacte Ambiental (DIA) favorável condicionada para o empreendimento hidroeléctrico do Alvito. A autorização, emitida pelo Ministério do Ambiente a 26 de Abril, permite avançar com o projecto cujo investimento deverá rondar os 360 milhões de euros e criar 1.000 empregos directos e 3.000 indirectos.

Prevê-se que a barragem do Alvito entre em funcionamento em 2016, devendo a construção iniciar-se em 2011. Até lá, a EDP vai proceder à elaboração do projecto e das propostas de concretização das medidas de minimização e compensação exigidas pela DIA. Do conjunto de medidas, fazem parte, entre outras, o restabelecimento de vias de comunicação afectadas, a execução de programas de monitorização ambientais e sócio-económicos. Destaque ainda para acções de preservação e valorização da paisagem cultural e patrimonial.

A barragem de Alvito, no rio Ocreza, situa-se próximo da povoação da Foz do Cobrão, a cerca de 400 m a montante da confluência da ribeira do Alvito, pelo que não interfere com o monumento geológico das Portas do Almourão.
Com a autorização garantida pela DIA à cota 221 m, a barragem terá cerca de 93 m de altura e 430 m de comprimento, criará uma albufeira com 27,5 km de extensão, com uma área de 1731 ha nos concelhos de Castelo Branco e de Vila Velha de Ródão.

A central subterrânea terá um grupo gerador reversível, com uma potência de 225 MW, estimando-se que a contribuição energética média anual atinja cerca de 370 GWh, parte dela obtida à custa da utilização de bombagem. Evita-se assim a emissão anual de 450 mil toneladas de CO2, reduzindo em simultâneo a dependência energética do país face à importação de combustíveis fósseis. Esta reversibilidade de funcionamento do grupo gerador proporcionará, em termos de gestão do Sistema Eléctrico, a acomodação de instalação de mais potência eólica.

O Alvito é uma das cinco novas barragens que a EDP prevê construir no âmbito do plano de expansão de capacidade hidroeléctrica. O plano contempla ainda o reforço de potências de seis das barragens já em operação. Destes 11 projectos, seis estão já em construção. Até ao final da década, a EDP investirá neste âmbito cerca de 3.000 milhões de euros, elevando em 60% a capacidade de produção de energia renovável e limpa. No total, estes projectos criarão um volume de emprego estimado em 30 mil postos de trabalho, directos e indirectos.