Fridão

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes

Estas perguntas foram feitas pelas populações locais e interessados. A EDP tudo fará para prestar o melhor serviço possível ao público. Se mais tem perguntas, fale connosco. Muito obrigada.

Actividades a realizar no rio e na futura albufeira

Mondim / Que alternativas estão pensadas para a pesca de competição e desportos radicais no rio?

Como medida de valorização e compensação a implementar no Veade e no Cabril, serão disponibilizados novos equipamentos que permitirão aproveitar as condições de grande estabilidade do futuro plano de água altamente favoráveis ao uso lúdico da albufeira, nomeadamente, a disponibilização de praias, cais acostáveis para embarcações de recreio e estruturas de apoio em terra. Esta medida permitirá assim criar melhores condições para a prática de pesca de competição. Está igualmente prevista a recuperação e modernização da Pista de Águas Bravas em Amarante que será projectada para servir o desporto náutico em geral. A zona de pesca desportiva concessionada à Associação de Caça e Pesca de Cavez, será afectada pela albufeira prevendo-se que na fase de projecto de execução, e em colaboração com os órgãos de poder local e/ou associações de gestão de estruturas afectadas, sejam definidas medidas compensatórias ou de substituição.

Mondim / Estão previstas actividades aquáticas no rio depois da construção da barragem?

Sim. A implementação do AHF prevê medidas de compensação para as zonas de maior afectação que potenciam o seu uso para actividades aquáticas. Como exemplos temos os casos de Veade (Celorico de Basto) e Cabril (Mondim de Basto) em que serão instalados novos equipamentos que aproveitem as grandes condições de estabilidade do futuro plano de água altamente favoráveis ao uso lúdico da albufeira, com a disponibilização de praias, cais acostável para embarcações de recreio e estruturas de apoio em terra ao uso do plano de água. A substituição dos actuais equipamentos recreativos por outros em condições mais adequadas que as existentes, constitui uma clara valorização da zona. Acrescente-se ainda, a substituição da pista de canoagem de Fridão, permitindo à nova localização, beneficiar de um enquadramento mais favorável que a pode colocar dentro de padrões de qualidade internacional. A construção da pista de Amarante constituirá assim, um elemento de desenvolvimento socioeconómico de significativa importância, conforme visibilidade, que permitirá a realização de grandes competições internacionais, favorecendo o desenvolvimento local e regional. Lembra-se que a definição final das utilizações possíveis da albufeira será estabelecida pelas autoridades no futuro Plano de Ordenamento da Albufeira.

Alteração climática/ Produção de vinho

Mondim / Se as alterações climáticas influenciarem negativamente as características do vinho verde estão previstas indemnizações?

No âmbito do EIA foi realizado um estudo especado que concluiu não estarem previstas alterações climáticas que possam afectar negativamente a qualidade do vinho verde.

Amarante / A qualidade do vinho verde vai ser alterada?

No âmbito do EIA foi realizado um estudo específico que concluiu não estarem previstas alterações climáticas que possam afectar negativamente a qualidade do vinho verde.

Apoio à cultura e tradição

Mondim / Que alternativas estão pensadas para as actividades sociais que hoje em dia têm lugar nos monumentos (igrejas e pontes)?

As actividades sociais não serão afectadas visto estar prevista a substituição de pontes afectadas pelo AHF prevendo-se manter ou melhorar as suas funcionalidades. As igrejas não serão afectadas para a cota que se prevê como mais viável para a construção do aproveitamento.

Caudal ecológico

Amarante / O que é um caudal ecológico?

É o caudal que é necessário manter a jusante de um aproveitamento hidroeléctrico de forma a permitir a preservação dos ecossistemas aquáticos e ribeirinhos.

Como vai ser ouvida a população

Mondim / Porque que a EDP não fala e ouve mais cedo com as entidades locais, não institucionais, para melhor articulação?

A EDP tem feito os contactos que a quantidade de informação, que neste momento existe, justifica. Fizeram-se também questionários sobre a adesão das populações e sessões para recolher informação sobre as expectativas e preocupações das populações relativamente ao aproveitamento. Neste momento há já condições para uma maior informação das populações e agentes locais, o que vai ser feito.

Mondim / Pode a população participar na definição do nome da barragem?

O nome dos aproveitamentos neste momento não pode ser alterado porque foi esta a designação utilizada pela autoridade no concurso internacional para a atribuição da concessão lançado pelo INAG, integrado no PNBEPH. Após a atribuição da concessão definitiva a EDP está disponível para servir de elemento facilitador do diálogo das populações com o INAG devendo contudo serem os órgãos autárquicos a formalizar os respectivos pedidos.

Celorico / Pode a população participar na definição do nome da barragem?

O nome dos aproveitamentos neste momento não pode ser alterado porque foi esta a designação utilizada pela autoridade no concurso internacional para a atribuição da concessão lançado pelo INAG, integrado no PNBEPH. Após a atribuição da concessão definitiva a EDP está disponível para servir de elemento facilitador do diálogo das populações com o INAG devendo contudo serem os órgãos autárquicos a formalizar os respectivos pedidos.

Compensação Financeira Municípios

Mondim / Quando e que compensações financeiras vão ter os municípios (comparativamente com as eólicas)?

A EDP paga anualmente uma renda aos municípios atingidos pelas zonas de influência dos centros electroprodutores de acordo com um DL desactualizado não sendo directamente aplicável a fórmula que lhe está associada. Depende da Administração Pública a sua actualização, tendo sido referida essa necessidade em vários diplomas recentemente publicados. Assim, não está previsto o pagamento de qualquer compensação do tipo das eólicas para os novos aproveitamentos hidroeléctricos.

Refira-se que as eólicas estão integradas na Produção em Regime Especial (PRE) beneficiando de uma tarifa especial definida por lei não estando sujeito às regras e flutuação de preços de mercado, o que não acontece os aproveitamentos hidroeléctricos que estão integrados no Regime de Produção Ordinária.

Além disso, a EDP para ter direito à concessão do aproveitamento pagou ao Estado Português uma verba de 231,7 M€ pelos dois aproveitamentos, Fridão e Alvito, dos quais a maior parte é relativa ao Fridão.

Conservação Moinhos

Mondim / Está prevista alguma acção para preservação / recuperação dos moinhos de água?

Os moinhos de água identificados no Estudo de Impacte Ambiental estão integrados numa classe de pouco significado no que diz respeito ao seu valor patrimonial. Deste modo, as medidas previstas de preservação da actividade moageira passam pelo registo exaustivo dos edifícios com valor patrimonial com impactes negativos directos e sua remoção da área inundável.

Existem ainda moinhos de água que não ficarão submersos e para os quais não estão previstas medidas de recuperação e/ou preservação.

Amarante / Está prevista alguma acção para preservação / recuperação dos moinhos de água?

Os moinhos de água identificados no Estudo de Impacte Ambiental estão integrados numa classe de pouco significado no que diz respeito ao seu valor patrimonial. Deste modo, as medidas previstas de preservação da actividade moageira passam pelo registo exaustivo dos edifícios com valor patrimonial com impactes negativos directos e sua remoção da área inundável.

Existem ainda moinhos de água que não ficarão submersos e para os quais não estão previstas medidas de recuperação e/ou preservação.

Controlo de Risco

Amarante / Quais as medidas desenvolvidas, a nível de projecto, para garantir a segurança de pessoas e bens a jusante do Aproveitamento Hidroeléctrico do Fridão?

A melhor forma de minimizar a possibilidade da ocorrência de um acidente consiste na aplicação das mais recentes normas de projecto e das melhores tecnologias na construção da barragem, além da implementação de sistemas de monitorização em fase de exploração, que permitam a regular observação do comportamento da estrutura e, em tempo útil, a adopção de medidas correctivas ou medidas de segurança de recurso, sempre em articulação com as diversas entidades com jurisdição na segurança das barragens e na gestão das albufeiras, e, quando pertinente, com o acompanhamento da autoridade nacional de protecção civil. Existem centenas de aparelhos de observação do comportamento destas estruturas, a grande maioria de aquisição automática e transmissão de dados à distância. Para além disso as barragens do AHF são de betão convencional, tecnologia de construção considerada como das mais seguras. Nos últimos anos tem-se vindo a registar em Portugal e na grande maioria dos países a elaboração e aplicação de Regulamentos de Segurança de Barragens cada vez mais exigentes visando essencialmente garantir a qualidade nas fases de Projecto, Construção e Exploração. Face ao descrito anteriormente, conclui-se que a ocorrência de acidente grave, nomeadamente, em barragens do tipo das do AH Fridão é um fenómeno com muito fraca probabilidade de ocorrência, principalmente se projectada, construída e monitorizada de acordo com as normas e conhecimentos mais actuais, como acontece no caso em apreço.

Criação de emprego

Qual o impacto no comércio local?

A implementação do AHF contribuirá para a dinamização das actividades associadas à construção, criação de postos de trabalho e ainda, uma maior dinâmica económica no consumo e serviços locais, que, atendendo ao prazo de 5 anos para a construção, terá efeitos significativos na região.

A barragem vai criar mais emprego para a região? Como?

A construção do AHF irá gerar um total de 1000 postos de trabalho, no seu pico máximo em 2014, esperando-se que o número de postos de trabalho indirecto seja de 2,5 a 3 vezes o daquele, de acordo com estudos existentes sobre este tema. A construção do empreendimento, que se prolongará por 5 anos, envolve um volume de investimento elevado, que se traduzirá num importante estímulo para a economia local, designadamente através da aquisição de bens e serviços por parte da obra, desenvolvimento de actividades ligadas a hotelaria, qualquer delas potenciadoras da criação indirecta de emprego.

Na fase de exploração, a criação de um plano de água permitirá ainda um novo enquadramento do território potenciando o desenvolvimento local e regional motivado pelos usos associados à atractividade de alguns espaços, criando condições para o desenvolvimento da actividade turística e de lazer.

Descargas de água

Amarante / Qual o critério da operação de descargas das barragens?

Face à capacidade das duas albufeiras e às condições de exploração admitidas para as mesmas, não foi considerado o seu efeito no amortecimento das cheias, isto é, teoricamente os caudais descarregados serão iguais aos caudais de cheia afluentes. Fora dos períodos de cheia, os critérios de exploração serão fixados de modo a respeitar os seguintes princípios relativamente ao caudal lançado na barragem de jusante: (i) valor compatível com os usos e ocupação sazonal do rio; (ii) variação tendo em conta a que ocorreria em regime natural.

Desenvolvimento turístico

Mondim / Em que medida a barragem pode influenciar o desenvolvimento turístico?

Globalmente há várias medidas propostas que influenciam o desenvolvimento turístico. Em primeiro lugar a criação do próprio plano de água é potenciadora de actividades ligadas ao turismo desde que previstas no Plano de Ordenamento da Albufeira. O AHF poderá ainda, beneficiar o desenvolvimento turístico da região ao promover o desenvolvimento de medidas de valorização e compensação para as zonas de maior afectação. Em concreto, apresentam-se as medidas propostas para Veade (Celorico de Basto) e Cabril (Mondim de Basto), que apresentam elevado potencial de uso recreativo, lúdico e turístico. Nestes locais, existem várias aldeias com características tradicionais, uma rede viária densa, elementos culturais típicos e uma rede urbana dispersa com elementos patrimoniais e habitações de dimensão adequada para turismo rural. O AHF promoverá também o desenvolvimento turístico ao prever a substituição da pista de canoagem do Fridão por outra em Amarante, que constitui um elemento de desenvolvimento económico de significativa importância, pois a forte visibilidade da estrutura e as condições técnicas propostas serão elementos que permitirão a realização de grandes competições internacionais favorecendo o desenvolvimento local e regional. Acrescente-se, ainda, a substituição prevista para muitas praias e para o Parque de Campismo de Mondim.

Em que medida a barragem pode influenciar o desenvolvimento turístico?

Globalmente há várias medidas propostas que influenciam o desenvolvimento turístico. Em primeiro lugar a criação do próprio plano de água é potenciadora de actividades ligadas ao turismo desde que previstas no Plano de Ordenamento da Albufeira. O AHF poderá ainda, beneficiar o desenvolvimento turístico da região ao promover o desenvolvimento de medidas de valorização e compensação para as zonas de maior afectação. Em concreto, apresentam-se as medidas propostas para Veade (Celorico de Basto) e Cabril (Mondim de Basto), que apresentam elevado potencial de uso recreativo, lúdico e turístico. Nestes locais, existem várias aldeias com características tradicionais, uma rede viária densa, elementos culturais típicos e uma rede urbana dispersa com elementos patrimoniais e habitações de dimensão adequada para turismo rural. O AHF promoverá também o desenvolvimento turístico ao prever a substituição da pista de canoagem do Fridão por outra em Amarante, que constitui um elemento de desenvolvimento económico de significativa importância, pois a forte visibilidade da estrutura e as condições técnicas propostas serão elementos que permitirão a realização de grandes competições internacionais favorecendo o desenvolvimento local e regional. Acrescente-se ainda, a substituição prevista para muitas praias e para o Parque de Campismo de Mondim.

Amarante / Em que medida a barragem pode influenciar o desenvolvimento turístico?

Globalmente há várias medidas propostas que influenciam o desenvolvimento turístico. Em primeiro lugar a criação do próprio plano de água é potenciadora de actividades ligadas ao turismo desde que previstas no Plano de Ordenamento da Albufeira. O AHF poderá ainda, beneficiar o desenvolvimento turístico da região ao promover o desenvolvimento de medidas de valorização e compensação para as zonas de maior afectação. Em concreto, apresentam-se as medidas propostas para Veade (Celorico de Basto) e Cabril (Mondim de Basto), que apresentam elevado potencial de uso recreativo, lúdico e turístico. Nestes locais, existem várias aldeias com características tradicionais, uma rede viária densa, elementos culturais típicos e uma rede urbana dispersa com elementos patrimoniais e habitações de dimensão adequada para turismo rural. O AHF promoverá também o desenvolvimento turístico ao prever a substituição da pista de canoagem do Fridão por outra em Amarante, que constitui um elemento de desenvolvimento económico de significativa importância, pois a forte visibilidade da estrutura e as condições técnicas propostas serão elementos que permitirão a realização de grandes competições internacionais favorecendo o desenvolvimento local e regional. Acrescente-se, ainda, a substituição prevista para muitas praias e para o Parque de Campismo de Mondim.

Electricidade melhor e mais barata

Podemos esperar energia mais barata para a região?

Com a entrada em funcionamento de mais uma central de produção de energia eléctrica haverá mais electricidade ao dispor dos consumidores portugueses, pelo que será de esperar que a electricidade fique mais barata, não apenas na região mas para todo o país. No fundo, passa-se com a electricidade o que acontece com qualquer outro produto: quando aumenta a oferta desse produto no mercado, o preço tende a diminuir, se tudo correr normalmente. Adicionalmente, o facto da nova central ser uma barragem, a sua produção irá em princípio substituir/evitar a produção de electricidade de outras centrais com custos de produção mais caros, como por exemplo das centrais a carvão ou a gás. Em Portugal, a entidade reguladora que estabelece as tarifas de electricidade aplicáveis aos consumidores de energia eléctrica não pode estabelecer tarifas diferentes de região para região, porque a legislação não o permite. Ou seja, é necessário respeitar o princípio de que a tarifa regulada de electricidade deverá ser igual para todos os consumidores de Portugal Continental, pelo que será de esperar que não seja apenas a região do Sabor/Tua a ganhar com a nova central, mas todo o país. Assim, serão economizados anualmente 7,4 M€ em importações de gás/carvão e 2,3 M€ em licenças de CO2 (equivalentes a 115 kton de emissões).

Os níveis de serviço de energia eléctrica poderão melhorar?

A energia produzida, nas novas barragens, vai ser entregue na rede de transporte e, como tal, serão mais pontos injectores para garantir o equilíbrio e a estabilidade do sistema eléctrico português (nomeadamente equilíbrio eólico / hídrico), muito embora não seja de prever uma influência directa na qualidade de serviço. A qualidade de serviço nos concelhos abrangidos, em termos gerais, é seguramente das melhores da rede de distribuição; para medir esta qualidade utilizamos o indicador de continuidade de serviço Tempo de Interrupção Equivalente na rede MT (TIE MT) e os valores registados, nos últimos anos, são significativamente inferiores aos limites máximos estabelecidos no Regulamento da Qualidade de Serviço, fixados pela Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG). Qualquer questão concreta deve ser colocada à EDP que estará disponível para analisar/solucionar.

Especificações técnicas da barragem

Amarante / Será possível realizar sessão de esclarecimento p/ apresentação do projecto da segunda Barragem?

A EDP está sempre disponível para os esclarecimentos que forem julgados necessários pelas populações. Neste caso específico, para além da caracterização do projecto da barragem de jusante poderão ser abordadas outras questões de interesse local.

Amarante / Qual a eficiência energética da barragem?

O rendimento global de um AH ronda os 90%, muito superior a outras tecnologias, nomeadamente, as térmicas clássicas. Os rendimentos mais elevados destas últimas ainda não atingem os 60%.

Amarante / Quantas barragens estão previstas para o Tamega e onde?

O Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico lançou concursos para 5 barragens no Tâmega e seus afluentes. Quatro vão ser desenvolvidas pela Iberdrola a saber, Gouvães no rio Torno, afluente do rio Louredo, Padroselos no rio Beça, Alto Tâmega e Daivões no rio Tâmega e uma pela EDP Produção que é o Fridão.

Amarante / Porque Salamonde II não substituiu Fridão como o INAG chegou a prever?

O AHF é um projecto previsto pelo Governo Português no âmbito do PNBEPH. Não se tem conhecimento que o INAG tenha previsto a substituição de Fridão por Salamonde II. As características de um reforço de potência reversível, isto é com grupos com bombagem, não têm exactamente a mesma finalidade de um novo aproveitamento de raiz equipado apenas com turbinamento.

Migração de estranhos

O que vai ser feito para que esta obra não ponha em causa a tranquilidade das pessoas?

Durante a fase de construção do AHF, serão adoptadas medidas de minimização que permitam salvaguardar a tranquilidade das populações afectadas, nomeadamente: (i) promover acções de formação e sensibilização dos trabalhadores envolvidos na obra, de modo a que estes sejam devidamente informados da conduta a ter durante o período em que a obra decorre e assegurando uma boa integração entre os trabalhadores e as comunidades locais; (ii) assegurar que serão seleccionados os métodos construtivos e equipamentos que originem o menor ruído possível; (iii) escolher os percursos mais adequados para proceder ao transporte de equipamentos, minimizando a passagem no interior dos aglomerados populacionais; (iv) sinalização adequada dos trabalhos e dos acessos à obra, assegurando as acessibilidades da população a terrenos e caminhos e a sua segurança; (v) implementar um sistema de encaminhamento de queixas e reclamações, de modo a permitir aferir o grau de eficácia das medidas mitigadoras e equacionar a necessidade de implementação de novas medidas.

Paisagem natural

Mondim / Como será afectada a paisagem natural?

A criação da albufeira a uma cota bastante superior ao actual leito do rio possibilita uma maior relação visual com o plano de água e um aumento da amplitude e relação visual entre as margens opostas, não perdendo contudo, a imagem de algum encaixe da zona de vale. A elevada estabilidade do nível do plano de água na albufeira do escalão principal permitirá a sua utilização lúdica e recreativa.

Amarante / Como será afectada a paisagem na margem do rio?

No caso específico do concelho de Amarante, a albufeira da barragem de jusante terá uma visibilidade reduzida devido ao encaixe do vale, aos acessos existentes e ao reduzido número de habitações na sua proximidade. Na cidade de Amarante, a paisagem manter-se-á como actualmente, com o melhoramento da pista de canoagem na parte montante da Ilha dos Amores, que permitirá uma utilização lúdica e recreativa deste troço do rio.

Planos de evacuação

Amarante / Como vai ser feito o Plano de evacuação?

De acordo com o RSB, o planeamento de emergência de uma barragem compreende a avaliação dos danos potenciais induzidos e a definição dos procedimentos a adoptar pelos diferentes intervenientes, sendo constituído pelos Plano de Emergência Interno (PEI) e Plano de Emergência Externo (PEE). O primeiro é da responsabilidade do Dono de Obra e fará parte do Projecto do Aproveitamento. O segundo é da responsabilidade da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

Qualidade da água

Mondim / Estão previstas acções para a minimização de eutrofização do rio?

Estão em curso medidas de implementação de Estações de Tratamento de Águas Residuais que eliminarão descargas não tratadas criando condições para a não degradação da qualidade. A desmatação e a desarborização das áreas a inundar e o tipo de vegetação prevista para as margens são acções de minimização preconizadas para evitar a eutrofização do rio.

Mondim / Em que medida a barragem pode influenciar lençois freáticos?

Está prevista uma influência positiva da albufeira nos lençóis freáticos, nomeadamente, a recarga dos mesmos.

Mondim / Em que medida a barragem pode influenciar a qualidade da água?

O Estudo de Impacte Ambiental não prevê que possam ocorrer alterações significativas da qualidade da água. Actualmente, o Rio Tâmega apresenta uma água com boa qualidade ecológica mas com alguns problemas de contaminação bacteriológica e de eutrofização, que são mais incidentes no período seco. As águas residuais urbanas são, de momento, descarregadas no rio principal ou nos seus afluentes, existindo, na área de influência do AHF, apenas uma ETAR junto a Mondim de Basto, sendo as fossas sépticas colectivas e individuais dominantes.

Um AH transforma um rio de águas correntes numa extensa massa de água, que induz alterações na qualidade da água por modificação das condições de oxigenação e variação da profundidade.

Com uma adequada gestão dos caudais, associada à elevada capacidade de renovação de água da albufeira prevista estão criadas as condições para a melhoria das condições hídricas actuais. Adicionalmente, estão também já em curso medidas de implementação de ETAR´s em todos os concelhos, prevendo a empresa Águas do Ave que sejam instaladas 12 novos equipamentos. Estas permitirão eliminar as descargas não tratadas, prevendo-se que apenas pontualmente, em anos secos ou em zonas mais confinadas, possam ocorrer situações de menor qualidade.

Amarante / De que forma vai ser alterada a qualidade da água no centro da cidade?

A introdução de um regime de exploração com uma adequada gestão dos caudais contribuirá para a melhoria das condições hídricas actuais a jusante, nomeadamente e entre outros aspectos, através da lavagem periódica do curso de água, dispersando os poluentes e reduzindo os fenómenos de eutrofização. A maior disponibilidade de água nos períodos secos será favorável à melhoria da qualidade da água, particularmente em Amarante.

Se houver impacto negativo na qualidade da água a população será afectada por maus cheiros?

Os maus cheiros poderão resultar da estagnação da água e sua degradabilidade. Tal como já foi referido anteriormente, não estão previstos impactes negativos na qualidade da água durante a fase de exploração e, consequentemente, a existência de maus cheiros.

Rede viária / Acessos

Amarante / Como vai ser garantido o acesso às margens do rio?

Não está prevista a abertura de novos acessos às margens das albufeiras, quer do escalão principal, quer da barragem de jusante. Serão, contudo, restabelecidos todos os acessos actualmente existentes que forem impactados pela criação da albufeira do escalão principal.

Qual o impacto da construção da barragem em estradas e transportes?

Serão afectadas algumas estradas e pontes pela nova albufeira criada pela barragem do escalão principal, independentemente da cota de NPA que venha a ser escolhida, mas serão repostas, mantendo ou melhorando as suas funcionalidades actuais.

Para além dos referidos restabelecimentos de comunicações, destacam-se os acessos aos elementos de obra do aproveitamento de Fridão a criar de novo, e associadas a estes a criação de duas novas possibilidades de atravessamento do rio Tâmega, um sobre o coroamento da barragem de Fridão, ligando as EN210 e EN312, e outro sobre o coroamento da barragem de jusante, ligando a EN312 e o CM1206.

Reforço de meios para socorro Bombeiros e protecção civil

Mondim / O que está previsto para a nova realidade em termos de socorros e protecção civil?

A criação da nova albufeira dará origem a novas zonas de praia fluvial das quais se prevê uma elevada utilização para turismo e lazer. Esta nova realidade aconselha a que os equipamentos de protecção civil sejam ajustados às necessidades previstas. Neste âmbito a EDP, tal como acontece noutros aproveitamentos, está disponível a colaborar com as entidades locais para o reforço dos meios de protecção civil.

Regularização do caudal do Rio

Amarante / Qual vai ser o caudal a jusante da barragem?

Está previsto o lançamento de um caudal ambiental que tem como objectivo garantir as utilizações a jusante do AHF. O valor do caudal dependerá das afluências provenientes de montante. As duas descargas previstas para a modulação de caudal têm cada uma a capacidade máxima de 80 m3/s.

Amarante / Qual a oscilação das águas (entre as 2 Barragens) ao longo do dia?

De acordo com os estudos de simulação efectuados, a oscilação do nível na albufeira da barragem de jusante poderá atingir um valor máximo diário de 9 m (no caso de se considerar um período de turbinamento diário entre 4 a 6 horas, a plena carga, na central de Fridão). Tal oscilação será substancialmente reduzida nas seguintes situações: (i) turbinamentos diários mais curtos ou com caudais inferiores ao de plena carga; (ii) caudais afluentes ao aproveitamento elevados, face aos quais já não se torne necessário considerar o efeito regularizador da albufeira da barragem de jusante.

Amarante / Porque não pode a barragem de jusante do Fridão ficar acima do centro de estágio (canoagem)?

A barragem de jusante tem como finalidade regularizar e controlar os caudais lançados pelo escalão principal. Se a barragem de jusante fosse construída mais para montante, não cumpriria com os objectivos da sua construção, por não conseguir armazenar volume suficiente para a regularização referida. Importa referir que está prevista a recuperação e modernização da Pista de Águas Bravas do Penedo do Açúcar, de forma a substituir a Pista do Fridão.

Amarante / A barragem de jusante do Fridão vai possuir unidade de produção de energia?

A barragem de jusante do aproveitamento do Fridão não vai possuir unidade de produção de energia destinando-se apenas a modular e regularizar o caudal proveniente de montante.

Zona de auto salvamento

Amarante / Amarante vai ficar na zona de auto Salvamento?

O Regulamento de Segurança de Barragens (DL nº 344, de 15 de Outubro de 2007) define zona de auto-salvamento como a "zona do vale, imediatamente a jusante da barragem, na qual se considera não haver tempo suficiente para uma adequada intervenção dos serviços e agentes de protecção civil em caso de acidente e que é definida pela distância à barragem que corresponde a um tempo de chegada da onda de inundação igual a meia hora, com um mínimo de 5 km". O estudo dos danos potenciais induzidos pela barragem de Fridão, localizada cerca de 8 km a montante da cidade de Amarante, permitem concluir que parte ribeirinha desta cidade está dentro da zona de auto-salvamento, pois o tempo de chegada da onda no caso de eventual acidente naquela barragem é inferior a 30 minutos.