Fridão

Desempenho ambiental

Desempenho ambiental

aproveitamento hidroeléctrico
do fridão

 

Declaração de
Impacte Ambiental

Principais Medidas de Minimização em Curso

  • Captura e transporte de diferentes espécies de peixes entre montante e jusante da barragem;
  • Controlo da expansão/proliferação das espécies aquícolas exóticas s.
  • Conservação dos locais de reprodução da salamandra-lusitânica;
  • Prospecção de Lagartos-de-Água (Lacerta schreiberii) e trasladação para zona mais a montante do rio Cabril;
  • Evitar o derrube de florestas de Amieiros e freixos, de salgueiros e buchos junto a linhas de água afluentes, preferencialmente as que se localizem a cotas superiores a 160m;
  • Recuperar as áreas afectas aos estaleiros e infraestruturas de obra;
  • Manter os trechos mais conservados dos principais afluentes, nomeadamente nos rios Veade e Cabril;
  • Remover os Quirópteros que se encontram nos abrigos ou em árvores;
  • Minimizar os impactes sobre a avifauna das linhas eléctricas que atravessem o novo plano de água.

Medidas Compensatórias

A maioria das medidas compensatórias deverão ter início na fase de construção e/ou de exploração, a partir de 2014, pelo que ainda decorrem estudos que permitirão operacionalizar as medidas descritas abaixo.

Criação de zonas de desova nos principais afluentes do Tâmega

Esta medida pretende constituir um habitat de substituição para os peixes nativos dos principais afluentes do Rio Tâmega, acima da área de influência da nova albufeira, de forma a compensar os habitats de desova afectados pela nova albufeira e permitir a dispersão das populações para montante destes afluentes. Este projeto tem início com a fase de construção e prolonga-se por 10 anos após a entrada em exploração.

Recuperação/Valorização de habitats

Esta medida, complementar à anterior, pretende recuperar os troços ribeirinhos das principais linhas de água que se encontram acima do nível de pleno armazenamento, a montante da área de influência da albufeira, com revegetação ou valorização da flora já existente. Desta forma, pretende-se compensar os habitats ripícolas afectados pela nova albufeira, assim como criar condições de ligação entre duas áreas de população do lobo. Esta área de intervenção abrange parcialmente a área classificada como Sítio de Interesse Comunitário Alvão-Marão.

Estão incluídas nesta medida ações de controlo de erosão, florestação seletiva de zonas de risco e intervenções especiais em zonas de particular valor para a biodiversidade e espécies prioritárias.

Recuperação de florestas naturais e semi-naturais de carvalhal e sobreiral e criação de reserva integral

Com esta medida, a EDP assume o compromisso de proteger e recuperar as manchas de carvalhal e sobreiral de elevado valor ecológico existentes na região, condicionando o seu uso, em termos de cortes e mobilização do solo. Desta forma, espera-se a manutenção da estrutura física do habitat, a recuperação das formações degradadas e o controlo do aparecimento de outras espécies arbustivas que possam prejudicar a evolução saudável das árvores jovens utilizadas na recuperação. As manchas de maior qualidade serão reconhecidas como reservas integrais, limitando-se o seu acesso a qualquer tipo de atividade humana. Esta área de intervenção abrange parcialmente a área classificada como Sítio de Interesse Comunitário Alvão-Marão.

Criação de abrigos artificiais para os Quirópteros

Para compensar a perda de habitat e de refúgio, serão criados abrigos artificiais para diferentes espécies de morcegos, na envolvente das áreas afectadas pela construção do aproveitamento.

Estudo da situação atual do Leirão (ou rato-dos-pomares)

Dada a necessidade de reforçar o conhecimento científico relativo ao Leirão (Eliomys quercinuas) na região, será promovido um estudo de caracterização e atualização da situação de referência desta espécie na área próxima e alargada do novo aproveitamento.

Os resultados permitirão definir com maior objectividade as medidas de minimização e/ou compensação para a espécie.

Programa de Conservação de Invertebrados

Dada a necessidade de reforçar o conhecimento científico relativo à comunidade de invertebrados terrestres na região, será promovido um estudo de caracterização e atualização da situação de referência na área próxima e alargada do novo aproveitamento, para os seguintes grupo: Insectos como borboletas e traças, libélulas, escaravelhos, moscas e mosquitos, cigarras e pulgões. Poder-se-á ainda estender ao grupo das aranhas Os resultados permitirão definir com maior objectividade as medidas de minimização e/ou compensação para as várias espécies.

Relocalização da Pista de Canoagem de Fridão

Esta medida, com características sociais, destina-se a compensar atividades de uso lúdico e recreativo (desportivo), na freguesia de Fridão. Será relocalizada a pista de canoagem, existente atualmente, a jusante da Barragem de Jusante, com construção de um parque de estacionamento de apoio

Criação de zonas de lazer

No local da escombreira de montante será criada uma zona de lazer e um cais de acostagem, melhorando o acesso ao plano de água pelos residentes da freguesia de Codessoso. Esta medida inclui ainda o respectivo enquadramento paisagístico das novas infra-estruturas.

Praia Fluvial em Veade

Criação de uma praia fluvial na freguesia de Veade, com as infraestruturas exigidas, passeio pedonal e um cais de ancoragem. São igualmente garantidos os acessos, assim como protegidos os edifícios mais próximos da albufeira. Esta medida visa compensar a o uso de edificados e terrenos marginais, ocupados pela albufeira principal.

Praia fluvial em Cabril

Criação de praia fluvial em Cabril, com melhoramento paisagístico das três ilhas que surgirão naturalmente após o enchimento da albufeira. Será ainda construído um passeio pedonal e um cais de ancoragem, com os respectivos acessos garantidos, bem como a proteção dos edifícios mais próximos da albufeira. São igualmente garantidos os acessos, assim como protegidos os edifícios mais próximos da albufeira. Esta medida visa compensar a o uso de edificados e terrenos marginais, ocupados pela albufeira principal, na freguesia de Mondim de Basto.

Ligações Rodoviárias

A obra vai incluir a reposição de sete troços afectados pela construção do aproveitamento, assim como se incluem duas novas ligações entre as duas margens proporcionadas pelo coroamento das duas barragens.

Planos de Monitorização

Plano de Monitorização de águas superficiais

Este plano tem como objectivo controlar a qualidade da água da albufeira, durante a fase de construção do aproveitamento, prolongando-se durante toda a fase de exploração. Pretende, igualmente, avaliar o cumprimento da legislação nacional aplicável sobre a qualidade da água, assim como avaliar a necessidade de implementar medidas de minimização adicionais, uma vez que já está previsto a instalação de um sistema de arejamento das águas turbinadas, que permitirá a oxigenação das águas restituídas.. Haverá uma especial atenção aos impactes que a fase de construção terá sobre os espaços lúdicos utilizados como áreas balneares.

Plano de Monitorização de águas Subterrâneas

Este plano tem por objectivo caracterizar eventuais alterações químicas e hidrodinâmicas dos aquíferos decorrentes da construção e exploração do novo aproveitamento. Com o início previsto para um ano antes da construção, o plano deverá prolongar-se até dois anos após a entrada em exploração.

Plano de Monitorização do ambiente Sonoro

Este plano tem por objectivo avaliar as repercussões sobre o ambiente sonoro resultantes da implementação do aproveitamento antes do início da fase de construção e durante a construção.

Plano de Monitorização das Comunidades de peixes

Avaliar a eficácia da medidacaptura e transporte dos peixes para montante da barragem implementadas como o objectivo de evitar, minimizar ou compensar a perda de ligação das comunidades de peixes entre montante e jusante da barragem.

Plano de monitorização da Flora e Habitats

Este plano tem por objectivo avaliar a evolução dos processos de recuperação física na envolvente da albufeira, assim como do estado de conservação de espécies florísticas, comunidades vegetais e habitats com elevado interesse para conservação (ou relevantes na região), junto à envolvente das frentes de obra.

Plano de monitorização da Lontra

Este plano tem por objectivo avaliar a resposta das populações de lontra ao aumento da sua densidade nas ribeiras adjacentes, devido à perda de habitat decorrente do enchimento da albufeira. Será igualmente estudado a eventual ocupação da albufeira pela lontra, assim como o eventual isolamento da população. Este plano decorre durante a construção e prolonga-se pelo menos até cinco anos após a entrada em exploração do aproveitamento.

Plano de Monitorização da Fauna Terrestre

Este plano inclui as espécies: lobo, corço, javali, fauna de médio e pequeno porte (incluíndo micromamíferos). Pretende-se avaliar a distribuição e utilização na área próxima e alargada do aproveitamento, quer das alcateias, quer da restante fauna. Para os micromamíferos, será efectuada uma inventariação geral com base em consulta bibliográfica e alguns levantamentos de campo. Este plano decorre durante a construção e prolonga-se pelo menos até cinco anos após a entrada em exploração do aproveitamento.

Plano de Monitorização de Anfíbios e Répteis

Este plano tem por objectivo atualizar os conhecimentos sobre duas espécies específicas: salamandra- lusitânica (Chioglossa lusitânica) e o lagarto-de-água (Lacerta schreiberii), assim como avaliar a eficácia das medidas de minimização implementadas. Este plano terá início na fase de desmatação, não estando definida a sua duração.

Plano de monitorização de Quirópteros

Este plano tem por objectivo atualizar os conhecimentos sobre as comunidades de morcegos da região, assim como acompanhar a resposta dessa comunidade à construção do novo aproveitamento. Será igualmente avaliada a eficácia das medidas de minimização implementadas. Este plano decorre durante a construção não estando ainda definida a sua duração.

PLano de Monitorização Socioeconómica

Este plano pretende aferir o cumprimento e eficácia das medidas de minimização e compensações propostas (ver medidas compensatórias), assim como acompanhar o processo de expropriação e realojamento previsto para aproximadamente 30 famílias. Durante a fase de exploração, serão igualmente avaliada as expectativas geradas pela população local, face às medidas de compensação implementadas. Este plano tem início com a fase de construção da barragem e termina dois anos após a entrada em exploração do aproveitamento.