Foz Tua

Desempenho ambiental

Desempenho ambiental

aproveitamento hidroeléctrico
da foz tua

 

Declaração de
Impacte Ambiental

Planos de Monitorização Em Curso

Ecossistemas Aquáticos

O plano de monitorização dos ecossistemas aquáticos, que decorrerá ao longo de toda a vida útil do aproveitamento, foi definido para verificar o real impacte ambiental resultante das fases de construção, enchimento e exploração do aproveitamento. Este plano é constituído por 17 pontos de amostragem e são medidos um conjunto de parâmetros de acordo com o definido na Diretiva Quadro da Água. Até ao momento foi identificado um conjunto de espécies autóctones, como o barbo, a boga e o verdemã, assim como espécies invasoras. Não se detectou a presença da enguia.

Flora

Em curso desde 2010, este plano de monitorização manter-se-á por 15 anos, com vista a verificar a existência ou não de impactes ambientais resultantes da construção da barragem, nas comunidades florísticas existentes. O plano incide sobre os habitats RELAPE (Raras, Endémicas, Localizadas, Ameaçadas ou em Perigo de Extinção) e espécies de conservação prioritárias, identificados em fase prévia de construção. Inclui ainda a flora vascular e espécies de briófitas e liquénicas. Os primeiros resultados são esperados no final do Verão de 2011.

Fauna

Em curso desde o início dos trabalhos, prolongando-se até 5 anos após a entrada em exploração, o plano de monitorização da fauna inclui o seguinte conjunto de espécies: Répteis, anfíbios, odonata, lontra, toupeira-de-água, outros mamíferos terrestres e micromamíferos, avifauna e quirópteros.

Estes planos têm por objectivo avaliar o nível de utilização pelas espécies dos habitats envolventes e os impactes resultantes da implementação da barragem e respectiva albufeira, nomeadamente no que respeita à afectação de habitats e fragmentação das movimentações longitudinais e transversais ao rio Tua. Os primeiros resultados são esperados no final do Verão de 2011.

Clima

Foi definido um plano de monitorização para verificar os efeitos da criação da albufeira no clima da micro-região. Serão Instaladas em 2011 três estações meteorológicas, em três cotas diferentes da envolvente da albufeira, com medição dos seguintes parâmetros: temperatura, humidade, velocidade e direção do vento, radiação solar, precipitação e temperatura do solo.

Medidas Compensatórias

  • Intervenção a jusante da barragem: Esta medida pretende promover a manutenção da vegetação ribeirinha espécies rupícolas termófilas e promover a conectividade fluvial entre o Douro e o Tua. No âmbito desta medida está já também a proceder-se à recolha de germoplasma para utilização na fase de recuperação ambiental e integração paisagística.
  • Potenciação do uso da ponte da Brunheda como meio de atravessamento do Tua. A monitorização da fauna, atualmente a decorrer, permitirá quantificar a utilização da ponte da Brunheda como meio de atravessamento do vale do Tua pela Fauna Terrestre. Verificando-se o interesse, serão implementadas medidas para potenciar a utilização desta ponte com vista a compensar o efeito de corte criado pela criação da albufeira. O projeto só será iniciado em meados de 2012.
  • Melhorar e restaurar as condições naturais dos rios Tua e Tinhela, a montante da Albufeira. Serão levantados os tipos de pressão a que as massas de água referidas estas sujeitas ? qualitativas, quantitativas, biológicas ou hidromorfológicas - e definido um plano de acção que permita promover as condições de habitabilidade para espécies autóctones, controlar as espécies exóticas, minimizar as pressões identificadas e proporcionar a manutenção ou melhoria do estado da massa de água. Este projeto será iniciado apenas em 2012.
  • Incremento da conectividade fluvial no Douro Médio e Inferior. O objectivo é promover a migração de espécies catádromas e anádromas autóctones. Serão efectuadas monitorizações da utilização das eclusas de Borland nas barragens da Régua, Carrapatelo e Crestuma-Lever para verificar a sua utilização por espécies migradoras. No seguimento dos resultados obtidos, serão definidas as medidas de potenciação desta utilização. A fase de testes à metodologia a implementar foi já concluída e a monitorização deverá ter início em Fevereiro de 2012.

Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da Linha de Muita Alta tensão (LMAT)

Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da Ligação à Rede Nacional de Transporte de Eletricidade, a 400 kV, do Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua.

Os ficheiros disponibilizados referem-se ao RNT do EIA reformulado, datado de março de 2014, e ao Relatório, Anexos e Peças Desenhadas do EIA, datados de dezembro de 2013. Chama-se a atenção para o facto de, no âmbito do Aditamento ao EIA, de março de 2014, terem sido objeto de revisão algumas partes do Relatório, alguns Anexos (ou partes de Anexos) e algumas Peças Desenhadas do EIA, pelo que é indispensável a consulta desses elementos anexos ao Aditamento. Por favor, consulte o índice de ficheiros aqui.